sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Gratidão Portugal - 8 anos a viver aqui!


Se alguém dissesse pra mim quando eu tinha 15/16 anos, um dia Elis você vai morar em Portugal, mais especificamente no norte, no Porto. Eu ia rir e dizer, eu? Isto nem me passava de longe pela cabeça.Apesar de amar desde a adolescência Fernando Pessoa, Florbela Espanca, não estava mesmo nos meus planos Portugal... 
Só que em 2007, quando meu marido tirou a cidadania, esta sementinha  começou a aflorar, depois alguns amigos imigraram, uns vieram de férias e nos motivaram... Só que mudar de país não é tão simples, não quando você quer fazer mesmo uma transição. Como fazer isso quando você tem a sua vida toda estruturada? Tem casa própria, trabalho, amigos, família? Já tem 36 anos e seu marido 42... parecia muito estranho mudar tudo, havia um desejo. Lembro-me de quando decidimos que íamos viver mesmo em Portugal, quando começamos a nos preparar, o momento de organizarmos, de planearmos, de nos desfazermos do que não era mais importante, do que seria apenas peso, de pensar vou levar meu sofá, cama? vamos fazer mudança de móveis? Não na verdade não, era mesmo deixar tudo. 
Lembro que viemos de férias antes. Eu amei, mas eram férias. Quando de facto começamos a nos despedir, a deixar tudo, algo profundo tocou dentro de mim. Lembro da chegada, naquele 22 de setembro de 2009, início do outono, ainda muito calor, fazia 35 graus. Nós chegamos com duas malas cada um e o que eu mais trazia na minha mala eram livros (risos! como sempre!). Sim eu me mudei para Portugal com apenas duas malas. Foi o início do meu processo de ter uma vida minimalista e a pensar somente no essencial. Claro que o início foi complicado, eu custei a me desenraizar, muita saudade de tudo e de todos, de tudo o que era conhecido, eu pensava que ficaríamos apenas uns dois anos e voltaríamos à morar no Brasil. 
Passaram-se 8 anos. 
Sou profundamente grata à esta terra me acolheu e que faz os meus dias mais felizes. Sou grata aos meus antepassados portugueses que fazem parte da minha história. Sou grata à todos que muito me ajudaram neste processo de adaptação, de acolhida, de aprendizados. 
Sou grata à Deus por estar a me permitir viver nesta terra maravilhosa que aprendi amar, ao Luís porque sem ele isto não seria possível, aos meu pai pela força nos momentos mais difíceis, a minha mãe que depois aceitou que era mesmo uma mudança e parou de dizer para eu voltar, aos amigos daqui que foram acolhedores, incansáveis, orientando, ajudando, indicando o que eu não conhecia. Sou grata à todos mesmo! 
Sou feliz e muito grata à todos e à tudo que vivi até aqui. 
GRATIDÃO PORTUGAL que venha muito mais!

Um comentário:

Janice disse...

Olá, minha querida. Eu entendo muito bem isto, pois fiz a minha transição no ano passado. Então, os sentimentos ainda estão "fresquinhos" em relação à mudança, que foi mesmo intensa. Mas quando sentimos um chamado mais forte para olharmos e seguirmos o nosso propósito de vida, temos mesmo que seguí-lo com fé, gratidão e muito Amor por todas as aventuras vividas. Sinto-me abençoada por ter te conhecido. Bjs de luz no coração. Janice